Quarta-feira, 01 de Abril de 2015
23 de Janeiro de 2014 - 06:08
Piso salarial dos professores terá reajuste de 8,32%


 

O piso nacional dos professores de educação básica deverá ser fixado este ano em R$ 1.697,39, para uma jornada de 40 horas. O valor é calculado com base na comparação da previsão de custo por aluno anunciada em dezembro de 2012 (R$ 1.867,15) com a de dezembro do ano passado (R$ 2.022,51). A portaria com o novo valor ainda não foi publicada, mas, segundo o MEC (Ministério da Educação), isso deve acontecer ainda neste mês.

A CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) diz que o reajuste ficou aquém do esperado – a entidade estimava o aumento em 15%. Em nota, a CNTE argumenou que “dados já consolidados do Fundeb [Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação], até novembro de 2013, apontam crescimento do valor mínimo de aproximadamente 15%”.

Mesmo com o percentual inferior ao esperado pelos trabalhadores, a Confederação Nacional de Municípios estima que, para o reajuste de 8,32%, haverá aumento de R$ 4,151 bilhões no pagamento do magistério. Com isso, a média do comprometimento das receitas do Fundeb com salários dos professores irá para 79,7%. Isso significa que quase todos os recursos voltados para a manutenção do ensino nos municípios estarão sendo gastas com pagamento dos salários dos professores.

Segundo a CNM, em mais de mil municípios, o comprometimento ultrapassa 100% do Fundeb. “Isso é insustentável, o piso do magistério vai liquidar a educação básica”, diz o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski. Ele lembra que o fundo deve ser usado também na construção e manutenção de escolas, laboratórios, bibliotecas. “Não adianta valorizar o piso e acabar com o resto”.

O Fundeb é formado por recursos provenientes dos impostos e transferências de estados, do Distrito Federal e dos municípios, além de uma complementação federal, quando o valor da arrecadação não atinge o investimento mínimo por aluno estabelecido nacionalmente. A União faz a complementação em nove estados. Segundo, Ziulkoski, os repasses deveriam ser maiores e feitos a mais estados.

A presidente da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação), Cleuza Repulho,  diz que a situação é preocupante. “O professor tem direito ao reajuste do piso, mas voltamos à preocupação da participação de estados, municípios e União [nos gastos com educação]”.

O MEC diz que “compreende a dificuldade dos municípios com a folha de pagamento e tem tentado promover o diálogo entre prefeitos, governadores e CNTE. Segundo a assessoria de imprensa do ministério, o debate continua em 2014, com o incentivo às mesas de negociação. O MEC destaca que a complementação aos estados tem crescido ano a ano. O valor destinado aos estados passou de R$ 1,1 bilhão, em 2000, para R$ 10,7 bilhões, no ano passado.  “Além disso, outros programas reforçam o apoio da União aos estados e municípios, como os de transporte escolar, merenda, construção de creches e de quadras, livros didáticos, e o PDDE (Programa Dinheiro Direto na Escola)”.


O MEC explica também que o valor mínimo nacional por aluno/ano pode variar, não apenas de um exercício para outro, mas dentro do próprio exercício, o que aconteceu em 2013.  O cálculo apoia-se em estimativas anuais das receitas formadoras do Fundeb, "as quais, não raramente, requerem revisão das projeções pela Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Fazenda, em decorrência do comportamento da arrecadação, por sua vez dependente da política fiscal e do comportamento da própria atividade econômico-financeira do país".

O piso salarial passou de R$ 950, em 2009, para R$ 1.024,67, em 2010, e R$ 1.187,14, em 2011, conforme valores informados no site do MEC. Em 2012, o valor vigente era R$ 1.451 e, a partir de fevereiro de 2013, passou para R$ 1.567. O maior reajuste foi  o de 2012: 22,22%.

Band

Comentários

  Nome:

  Email: seu email não será publicado!

Comentários:


principal  |  voltar  |  imprimir

 

Últimas Noticias

.
31/03/2015 - 21:45  PM do Rio começa à meia-noite substituição da Força de Pacificação na Maré
31/03/2015 - 21:40  Ato em SP quer mobilizar sociedade para a busca de crianças desaparecidas
31/03/2015 - 21:35  Senado: projeto de convalidação de benefícios fiscais fica para próxima semana
31/03/2015 - 21:30  Ministério da Justiça pede dados à França para investigar caso Swissleaks
31/03/2015 - 21:25  Anac recomenda que aviões tenham duas ou mais pessoas na cabine de comando
31/03/2015 - 21:20  Levy não descarta criação de impostos para auxiliar no ajuste fiscal
31/03/2015 - 21:15  Estados Unidos anunciam compromisso de reduzir gases de efeito estufa até 2025
31/03/2015 - 21:00  Observatório: Renato Janine fala em aproximar a educação ao mundo da cultura
31/03/2015 - 20:55  Câmara aprova aumento de pena para furto qualificado com uso de explosivos
31/03/2015 - 20:50  Governo e OIT celebram parceria pelo trabalho decente
31/03/2015 - 20:45  Ford demite 137 trabalhadores
31/03/2015 - 20:40  Governo e OIT celebram parceria pelo trabalho decente
31/03/2015 - 20:00  Comissão para analisar PEC da Maioridade Penal será instalada na semana que vem
31/03/2015 - 19:55  Dilma discute produção de caças Gripen com dirigente de empresa sueca
31/03/2015 - 19:50  Dados da Anistia Internacional mostram que 607 presos foram executados em 2014
31/03/2015 - 19:45  China liderou execuções de presos em 2014, diz relatório
31/03/2015 - 19:40  Procurador pede reforço para investigar julgamentos do Carf
31/03/2015 - 19:35  Embalagens de lata lideram acidentes de consumo no Brasil, informa Inmetro
31/03/2015 - 19:30  Volkwagen concede férias coletivas a 4,2 mil trabalhadores em Taubaté
31/03/2015 - 19:25  Menores de idade e pessoas com deficiência estão entre os executados em 2014
 
 

Vídeos



Vídeos - Cultura