Quinta-feira, 05 de Março de 2015
23 de Janeiro de 2014 - 06:08
Piso salarial dos professores terá reajuste de 8,32%


 

O piso nacional dos professores de educação básica deverá ser fixado este ano em R$ 1.697,39, para uma jornada de 40 horas. O valor é calculado com base na comparação da previsão de custo por aluno anunciada em dezembro de 2012 (R$ 1.867,15) com a de dezembro do ano passado (R$ 2.022,51). A portaria com o novo valor ainda não foi publicada, mas, segundo o MEC (Ministério da Educação), isso deve acontecer ainda neste mês.

A CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) diz que o reajuste ficou aquém do esperado – a entidade estimava o aumento em 15%. Em nota, a CNTE argumenou que “dados já consolidados do Fundeb [Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação], até novembro de 2013, apontam crescimento do valor mínimo de aproximadamente 15%”.

Mesmo com o percentual inferior ao esperado pelos trabalhadores, a Confederação Nacional de Municípios estima que, para o reajuste de 8,32%, haverá aumento de R$ 4,151 bilhões no pagamento do magistério. Com isso, a média do comprometimento das receitas do Fundeb com salários dos professores irá para 79,7%. Isso significa que quase todos os recursos voltados para a manutenção do ensino nos municípios estarão sendo gastas com pagamento dos salários dos professores.

Segundo a CNM, em mais de mil municípios, o comprometimento ultrapassa 100% do Fundeb. “Isso é insustentável, o piso do magistério vai liquidar a educação básica”, diz o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski. Ele lembra que o fundo deve ser usado também na construção e manutenção de escolas, laboratórios, bibliotecas. “Não adianta valorizar o piso e acabar com o resto”.

O Fundeb é formado por recursos provenientes dos impostos e transferências de estados, do Distrito Federal e dos municípios, além de uma complementação federal, quando o valor da arrecadação não atinge o investimento mínimo por aluno estabelecido nacionalmente. A União faz a complementação em nove estados. Segundo, Ziulkoski, os repasses deveriam ser maiores e feitos a mais estados.

A presidente da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação), Cleuza Repulho,  diz que a situação é preocupante. “O professor tem direito ao reajuste do piso, mas voltamos à preocupação da participação de estados, municípios e União [nos gastos com educação]”.

O MEC diz que “compreende a dificuldade dos municípios com a folha de pagamento e tem tentado promover o diálogo entre prefeitos, governadores e CNTE. Segundo a assessoria de imprensa do ministério, o debate continua em 2014, com o incentivo às mesas de negociação. O MEC destaca que a complementação aos estados tem crescido ano a ano. O valor destinado aos estados passou de R$ 1,1 bilhão, em 2000, para R$ 10,7 bilhões, no ano passado.  “Além disso, outros programas reforçam o apoio da União aos estados e municípios, como os de transporte escolar, merenda, construção de creches e de quadras, livros didáticos, e o PDDE (Programa Dinheiro Direto na Escola)”.


O MEC explica também que o valor mínimo nacional por aluno/ano pode variar, não apenas de um exercício para outro, mas dentro do próprio exercício, o que aconteceu em 2013.  O cálculo apoia-se em estimativas anuais das receitas formadoras do Fundeb, "as quais, não raramente, requerem revisão das projeções pela Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Fazenda, em decorrência do comportamento da arrecadação, por sua vez dependente da política fiscal e do comportamento da própria atividade econômico-financeira do país".

O piso salarial passou de R$ 950, em 2009, para R$ 1.024,67, em 2010, e R$ 1.187,14, em 2011, conforme valores informados no site do MEC. Em 2012, o valor vigente era R$ 1.451 e, a partir de fevereiro de 2013, passou para R$ 1.567. O maior reajuste foi  o de 2012: 22,22%.

Band

Comentários

  Nome:

  Email: seu email não será publicado!

Comentários:


principal  |  voltar  |  imprimir

 

Últimas Noticias

.
05/03/2015 - 05:20  Federação das Indústrias do Rio critica alta da Selic
05/03/2015 - 05:15  Senado define presidências de comissões permanentes na próxima semana
05/03/2015 - 04:40  Coreia do Norte reabre maratona a estrangeiros
05/03/2015 - 04:30  Indonésia confirma que vai avançar com execuções dos australianos
05/03/2015 - 04:15  Câmara aprova convocação de Cid Gomes para explicar críticas à instituição
05/03/2015 - 04:10  Jovens de comunidade com obras do PAC reclamam da falta de espaços de lazer
05/03/2015 - 04:05  Cunha diz que instituto de supervisão do ensino superior não entrará em pauta
05/03/2015 - 04:00  PEC da Bengala é aprovada em primeiro turno pela Câmara
05/03/2015 - 03:55  Ex-presidiários de Guantánamo dão entrevista exclusiva à EBC
04/03/2015 - 20:20  Aumento do etanol na gasolina não atingirá o combustível tipo premium
04/03/2015 - 20:15  Copom eleva juros básicos da economia para 12,75% ao ano
04/03/2015 - 20:10  Dólar atinge mais alta cotação em dez anos
04/03/2015 - 20:05  Sindicatos criticam aumento da taxa Selic
04/03/2015 - 20:00  Mostra reúne 120 originais de Debret, francês que retratou o Rio do século 19
04/03/2015 - 19:55  AGU recorrerá da decisão de deportar Battisti
04/03/2015 - 19:50  Defensoria Pública do Rio defenderá família de jovem morto em operação policial
04/03/2015 - 19:45  Cunha disse que não pretende colocar na pauta projeto de criação do Insaes
04/03/2015 - 19:40  Defesa Civil decreta calamidade pública em Rio Branco e Brasileia, no Acre
04/03/2015 - 19:20  Jovens de comunidade com obras do PAC reclamam espaços de lazer
04/03/2015 - 19:15  Caso Celso Daniel: Sombra continua respondendo a processo em liberdade
 
 

Vídeos



Vídeos - Cultura